quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Amigo



Ah, como se melindra a amizade
Perante o orgulho, a inveja, o ciúme
ou o egoísmo.
Contudo, é paciente e, na sua calma, é fiel.
Não traz em si o fogo do amor
Ou os desvarios desenfreados da paixão
Cultiva, antes, a magia de renovar-se
Em cada encontro
Como se fosse a primeira visão do amigo.


Mas não resiste à erosão
Dos ventos do abandono
Nem à sede do deserto onde se erguem a prepotência,
A maldade e o egoísmo.
Fenece e morre,
Deixando um vazio dorido
Uma noite sem amanhecer.
Um amor  esquece-se com um outro amor,
Mas a mágoa de perder um amigo
Não se cura na doçura de um outro amigo.

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

BlogArchive Blog Feed Cabeçalho HTML SingleImage LinkList Lista Logotipo BlogProfile Navbar VideoBar NewsBar