quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Desconcertos

Como quem ainda respira
Aos poucos passo da manhã à noite
Da esfuziante claridade que entontece
À plácida penumbra azulada do anoitecer
E acalmo-me e sonho-me uma paz de água rasa
Em contínuo movimento.
Crescem mansas marés escoando
Sobre mim antes que amanheça...
Esperanças leves de derrotas vivas.

Etiquetas:

1 Comentários:

Anonymous leo disse...

Minha Linda,
como te compreendo.
bjs

23 de novembro de 2008 às 12:50  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

BlogArchive Blog Feed Cabeçalho HTML SingleImage LinkList Lista Logotipo BlogProfile Navbar VideoBar NewsBar