sexta-feira, 26 de junho de 2009

Quem quer ser milionário?

Sentada, vi rostos, ouvi vozes, senti movimentos, sacudi sentimentos, multipliquei agonias, persisti nas vontades.
Depois, envelheci no preciso instante entre o fim do filme e o acender das luzes do cinema. Atónitos entreolharam-se os espelhos perante a a dubiedade da imagem reflectida.
E eu? Parti. Deixei, sobre a cadeira ao lado, a face antiga.

Etiquetas:

6 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

Filipe disse...
Quantas vezes me levantei, do sofá ou da cadeira da sala do cinema ou do teatro e lá ficou um bocado de mim?

27 de junho de 2009 às 18:59  
Blogger O céu da Céu disse...

Não vi o filme mas li o livro...todos os dias vamos encontrando e perdendo... gosto do seu blog.Sou uma das amigas da Carolina.

29 de junho de 2009 às 09:21  
Blogger Carolina disse...

É um nome de um filme?
Nem sabia!
Gostei do desabafo, sempre muito inspirado!
;)

30 de junho de 2009 às 13:12  
Blogger Teresinha disse...

Não me esqueci de si, Fátima.
Não tem sido fácil, aceitar...
Um beijinho.
Obrigada :)

30 de junho de 2009 às 15:47  
Anonymous Ana disse...

Sim, e cruzaram-se os olhares na cumplicidade de antes adormecida em entretantos do tempo.., as palavras disseram-se em silêncio e os sentidos estavam, em comunhão perfeita...tenho-te sempre...senti-te de novo...

21 de julho de 2009 às 14:30  
Blogger Banalidades disse...

Ana, tu tens-me sempre!És a menina linda que, nas aulas, abria os olhos de espanto e corria cega pelas mãos dos poetas. Somos assim, muito cúmplices. Obrigada pelas tuas palavras e, sobretudo, por esta boa visita! Jinho.

8 de dezembro de 2009 às 12:24  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

BlogArchive Blog Feed Cabeçalho HTML SingleImage LinkList Lista Logotipo BlogProfile Navbar VideoBar NewsBar