sexta-feira, 29 de julho de 2011

Amanhecer

Nesta madrugada é absoluto o silêncio
Eu debruço-me à varanda da casa
Como se sobre o mar ou o deserto me debruçasse
Mas nada há senão o vazio
O céu o azul despe-se em cinza antecipando
A manhã que vai nascendo
Se porventura eu chorasse
Se te chamasse...
Tu ainda me ouvirias?

Etiquetas:

1 Comentários:

Blogger Rosa albardeira disse...

Lindissimo, este seu poema. Beijinho!

8 de agosto de 2011 às 15:48  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

BlogArchive Blog Feed Cabeçalho HTML SingleImage LinkList Lista Logotipo BlogProfile Navbar VideoBar NewsBar