domingo, 25 de novembro de 2012

Prazeirosamente


Ver bem, ver de perto, ver assim...
A tua pele, o teu vulto, a tua sombra
No final da viagem, no adeus dos dias
Recortada na espuma certa dos enganos
Perdida  no azul das pedras quietas
Desfazendo areias nas ideias revoltas
Desfeitando flores nas mão vazias
Vertendo águas de chuvas tardias
Mudando impossíveis searas ao vento
Assim,  no adro da casa, no vão da escada
Prazeirosamente se sofre a delícia do nunca.

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

BlogArchive Blog Feed Cabeçalho HTML SingleImage LinkList Lista Logotipo BlogProfile Navbar VideoBar NewsBar