domingo, 11 de janeiro de 2009

Balanço

Quando me amei de verdade, pude compreender que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa. E fiquei mais tranquila. Quando me amei de verdade, vi que o sofrimento emocional era um sinal de que eu caminhava contra a minha verdade. Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para aumentar o meu ser. Quando me amei de verdade, deixei de temer os meus fantasmas e enfrentei a escuridão. Quando me amei de verdade, desisti de querer ter sempre razão e vi que poucas vezes a perdia. Quando me amei de verdade, deixei de reviver o passado e de me preocupar com o futuro. Assim, mantenho-me no presente, lugar onde a vida ainda acontece.

Etiquetas:

7 Comentários:

Anonymous Juja disse...

Já é um lugar comum dizer-lhe que gosto muito da sua escrita. Mas gosto mesmo e mais uma vez não resisto a dizer-lho.
Só me surge um comentário: Como deve ser bom estar na vida com essa serenidade!

12 de janeiro de 2009 às 16:19  
Blogger Banalidades disse...

Juja! Sempre muito atenta e tão assídua! Obrigada pela sua dedicação!
Quanto à minha serenidade... Ela não é tanta assim. No meu quotidiano, destabilizo-me com facilidade e só me tranquizo no refúgio da escrita/leitura!
Aqui tenho o meu porto de abrigo!
Jinhos e até sempre!

13 de janeiro de 2009 às 14:32  
Blogger Carolina disse...

Duas Meninas de Santiago que se estão a entender muito bem através da escrita!
Muito belo o texto!
bjhs (de mim) Menina também de Santiago.
;)

14 de janeiro de 2009 às 10:04  
Blogger Teresinha disse...

Ver a vida acontecer é, o maior presente que Ela nos dá!
Não pode ser "desperdiçada"!
A vida é,
Breve
Única
Bela
E, acontece a cada dia que nasce...

(para as três meninas de Santiago, que formam um trio de talentos, um beijinho da Teresinha)

14 de janeiro de 2009 às 15:48  
Blogger Caracoleta disse...

Só o que é intensamente verdadeiro, é intensamente belo.
É tão simplesmente na consciência do presente, que podemos encontrar a paz e a libertação... e podemos dizer que realmente VIVEMOS.
Um pequeno poema, que se lê num minuto e ressoa dentro de nós para sempre.

Obrigada! Beijinho!
Carla Guiomar

20 de janeiro de 2009 às 07:01  
Blogger purple disse...

Quando nos amamos verdadeiramente tudo se revela mais bonito e fácil de viver, porque quando nos amamos verdadeiramente damos espaço à nossa essência, ou seja, àquilo que somos verdadeiramente...e aí tudo surge com mais naturalidade!

Sabe muito bem ler as suas linhas, carregadas de genuinidade e sentimento. Se soubesse já a seguia há muito tempo! Obrigada por também se interessar por ler as minhas, simples pensamentos e sentimentos que passo para palavras! :)

Neste momento estou em Roma, a estudar por um semestre e por isso criei outro blog onde conto as aventuras que se vivem por aqui... Se quiser dê uma olhadela http://coisasdoerasmus.blogspot.com

Beijinho grande*

25 de janeiro de 2009 às 16:37  
Blogger purple disse...

http://www.coisasdoerasmus.blogspot.com

25 de janeiro de 2009 às 16:41  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

BlogArchive Blog Feed Cabeçalho HTML SingleImage LinkList Lista Logotipo BlogProfile Navbar VideoBar NewsBar