sábado, 5 de julho de 2008

Quem me dera...


Quem me dera que a minha vida fosse um carro de bois
Que vem a chiar, manhãzinha cedo, pela estrada.
E que para de onde veio volta depois
Quase à noitinha pela mesma estrada.

Eu não tinha que ter esperanças - tinha só que ter rodas...
A minha velhice não tinha rugas nem cabelo branco...
Quando eu já não servia, tiravam-me as rodas
E eu ficava virado e partido no fundo de um barranco.
Poema XVI, Alberto Caeiro

Etiquetas:

2 Comentários:

Anonymous Tânia disse...

Se eu fosse um carro de bois, seria alguém muito mais simples e feliz!
Este poema de Caeiro seduz todos aqueles que desejam viver apenas, sem complicações, sem atritos, num caminhar natural e verdadeiro pela vida. Assim como tu o fazes, apesar das muitas e poderosas barreiras com que te defrontas...
Não penses, porque é cedo ainda, em ficar inibida das rodas, mas antes as faças rolar sempre a direito na conquista dos teus dias!

7 de julho de 2008 às 16:39  
Anonymous Anónimo disse...

Não se encha de amargura. Acalme o cinzento de certos dias e reencontre o equilíbrio que, de certo modo, a caracteriza. Deixe-se ir, rodando pela vida, sempre assim, espontânea e convictamente. O seu trabalho, sabemos, engrandece-a. Hoje e sempre.O resto não lhe interessa...Não me interessa.

8 de julho de 2008 às 14:24  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

BlogArchive Blog Feed Cabeçalho HTML SingleImage LinkList Lista Logotipo BlogProfile Navbar VideoBar NewsBar