terça-feira, 3 de agosto de 2010

Desilusão

São mais de mil e quinhentos pedaços espalhados pela vida fora
Desde a cama até a mesa feitos retalhos de mim,
Desinventados , desiludidos, perdidos no caos
Cristalino do espelho da amizade
Partido em mais de mil e quinhentos pedaços...

Etiquetas:

10 Comentários:

Blogger Jelicopedres disse...

Como eu gostava de ver condensados num livro estes seus lindos poemas!
Eu sei que estão aqui e a qualquer hora posso vir relê-los.
Mas, queria muito!
Adoro livros, gosto de os abrir e de os sentir...!

beijinho

4 de agosto de 2010 às 10:35  
Blogger Banalidades disse...

Obrigada pela gentileza das suas palavras. é sempre uma pessoa que carinhosamente aprecia o que escrevo. Bem.haja, Teresinha!

4 de agosto de 2010 às 14:44  
Blogger Eduardo Miguel Pereira disse...

São 7:30 duma nebulosa manhã de Domingo, em pleno Verão, e chegar aqui e ler algo tão belo, tão carregado de sentimento, é como sentir na pele o calor do sol que, tristemente, se encontra escondido por detrás deste manto de nuvens.

Banalidades o tanas ! Essencialidades, isso sim.

7 de agosto de 2010 às 23:36  
Blogger Banalidades disse...

Eduardo! Deixou-me de lagriminha...
Ainda bem que gostou! Contudo, este textos foi daqueles mais doridos, mais sentidos de quantos tenho escrito... Fi-lo de jacto, num impulso repentino, num desatino que me preenchia a cabeça toda! Numa espécie de demência total. Saiu assim...Pedaços de mim!
Jinhos carinhosos.

8 de agosto de 2010 às 02:24  
Blogger O céu da Céu disse...

Já tinha saudades de trocarmos umas palavrinhas...a minha amiga com as suas palavras poéticas e eu com as minhas palavras de agradecimento por momentos tão bonitos que me tem proporcionado.
Ainda não acabei os dias de loucura...voltarei com mais assiduidade.

8 de agosto de 2010 às 11:44  
Blogger Madressilva disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

8 de agosto de 2010 às 16:56  
Blogger Sentidamente disse...

Mil e quinhentos pedaços… hoje. Partido foi o espelho na moldura da amizade…
Ferida ficou a alma. Dorida… desapontada…

Rompe um novo dia. A claridade há-de recompor o espelho, com a mesma ou outra moldura. Mas há-de fazê-lo! O que verdadeiramente importa é viver.

Expressão de dor, mas muito, muito bonito o que escreveu!

Beijinho

8 de agosto de 2010 às 17:01  
Blogger isabel disse...

Muito bonito o que escreveste! Escreve coisas bnitas e positivas e não percas palavras com coisas inuteis! A vida é curta e só fica o que é positivo e genuíno: a natureza encarrega-se disso mesmo.
Leio sempre o que escreves e um dia....também eu gostava de poder exprimir o que penso e sinto com essa clareza e arte.
beijoca

9 de agosto de 2010 às 03:07  
Blogger Carolina disse...

Sempre "gritos" nas tuas postagens!
Que desatino de alma é esse???

11 de agosto de 2010 às 14:50  
Blogger Carlos Pires disse...

É estranho que a palavra "desilusão" designe algo mau, pois o fim de uma ilusão é sempre melhor que a continuação da ilusão.

12 de agosto de 2010 às 16:16  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

BlogArchive Blog Feed Cabeçalho HTML SingleImage LinkList Lista Logotipo BlogProfile Navbar VideoBar NewsBar